Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/13215
Título: Estado nutricional antropométrico, perfil lipídico e consumo alimentar como fatores de risco para doença cardiovascular em adolescentes
Autor(es): Lima, Severina Carla Vieira Cunha
Palavras-chave: Dislipidemias;Obesidade;Avaliação dietética;Padrão dietético;Fatores de risco;Doença cardiovascular;Dyslipidemia;Obesity;Dietary assessment method;Dietary patterns;Risk factors;Cardiovascular disease
Data do documento: 28-Fev-2011
Editor: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citação: LIMA, Severina Carla Vieira Cunha. Estado nutricional antropométrico, perfil lipídico e consumo alimentar como fatores de risco para doença cardiovascular em adolescentes. 2011. 131 f. Tese (Doutorado em Ciências da Saúde) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2011.
Resumo: The dyslipidemia and excess weight in adolescents, when combined, suggest a progression of risk factors for cardiovascular disease (CVD). Besides these, the dietary habits and lifestyle have also been considered unsuitable impacting the development of chronic diseases. The study objectives were: (1) estimate the prevalence of lipid profile and correlate with body mass index (BMI), waist circumference (WC) and waist / height ratio (WHR) in adolescents, considering the maturation sexual, (2) know the sources of variance in the diet and the number of days needed to estimate the usual diet of adolescents and (3) describe the dietary patterns and lifestyle of adolescents, family history of CVD and age correlates them with the patterns of risk for CVD, adjusted for sexual maturation. A cross-sectional study was performed with 432 adolescents, aged 10-19 years from public schools of the Natal city, Brazil. The dyslipidemias were evaluated considering the lipid profile, the index of I Castelli (TC / HDL) and II (LDL / HDL) and non-HDL cholesterol. Anthropometric indicators were BMI, WC and WHR. The intake of energy, nutrients including fiber, fatty acids and cholesterol was estimated from two 24-hour recalls (24HR). The variables of lipid profile, anthropometric and clinical data were used in the models of Pearson correlation and linear regression, considering the sexual maturation. The variance ratio of the diet was calculated from the component-person variance, determined by analysis of variance (ANOVA). The definition of the number of days to estimate the usual intake of each nutrient was obtained by taking the hypothetical correlation (r) &#8805; 0.9, between nutrient intake and the true observed. We used the principal component analysis as a method of extracting factors that 129 accounted for the dependent variables and known cardiovascular risk obtained from the lipid profile, the index for Castelli I and II, non-HDL cholesterol, BMI, and WC the WHR. Dietary patterns and lifestyle were obtained from the independent variables, based on nutrients consumed and physical activity weekly. In the study of principal component analysis (PCA) was investigated associations between the patterns of cardiovascular risk factors in dietary patterns and lifestyle, age and positive family history of CVD, through bivariate and multiple logistic regression adjusted for sexual maturation. The low HDL-C dyslipidemia was most prevalent (50.5%) for adolescents. Significant correlations were observed between hypercholesterolemia and positive family history of CVD (r = 0.19, p <0.01) and hypertriglyceridemia with BMI (r = 0.30, p <0.01), with the CC (r = 0.32, p <0.01) and WHR (r = 0.33, p <0.01). The linear model constructed with sexual maturation, age and BMI explained about 1 to 10.4% of the variation in the lipid profile. The sources of variance between individuals were greater for all nutrients in both sexes. The reasons for variances were &#61500; 1 for all nutrients were higher in females. The results suggest that to assess the diet of adolescents with greater precision, 2 days would be enough to R24h consumption of energy, carbohydrates, fiber, saturated and monounsaturated fatty acids. In contrast, 3 days would be recommended for protein, lipid, polyunsaturated fatty acids and cholesterol. Two cardiovascular risk factors as have been extracted in the ACP, referring to the dependent variables: the standard lipid profile (HDL-C and non-HDL cholesterol) and "standard anthropometric index (BMI, WC, WHR) with a power explaining 75% of the variance of the original data. The factors are representative of two independent variables led to dietary patterns, "pattern 130 western diet" and "pattern protein diet", and one on the lifestyle, "pattern energy balance". Together, these patterns provide an explanation power of 67%. Made adjustment for sexual maturation in males remained significant variables: the associations between puberty and be pattern anthropometric indicator (OR = 3.32, CI 1.34 to 8.17%), and between family history of CVD and the pattern lipid profile (OR = 2.62, CI 1.20 to 5.72%). In females adolescents, associations were identified between age after the first stage of puberty with anthropometric pattern (OR = 3.59, CI 1.58 to 8.17%) and lipid profile (OR = 0.33, CI 0.15 to 0.75%). Conclusions: The low HDL-C was the most prevalent dyslipidemia independent of sex and nutritional status of adolescents. Hypercholesterolemia was influenced by family history of CVD and sexual maturation, in turn, hypertriglyceridemia was closely associated with anthropometric indicators. The variance between the diets was greater for all nutrients. This fact reflected in a variance ratio less than 1 and consequently in a lower number of days requerid to estimate the usual diet of adolescents considering gender. The two dietary patterns were extracted and the pattern considered unhealthy lifestyle as healthy. The associations were found between the patterns of CVD risk with age and family history of CVD in the studied adolescents
metadata.dc.description.resumo: As dislipidemias e o excesso de peso corporal em adolescentes, quando associados, sugerem uma progressão dos fatores de risco modificáveis para as doenças cardiovasculares (DCV). Além destes, os hábitos alimentares e de estilo de vida inadequados, também têm sido considerados impactantes no desenvolvimento de doenças crônicas. Os objetivos do estudo foram: (1) estimar a prevalência das alterações do perfil lipídico e correlacionar com o índice de massa corporal (IMC), a circunferência da cintura (CC) e a razão cintura/altura (RCA) em adolescentes, considerando a maturação sexual; (2) conhecer as fontes de variância da dieta e o número de dias necessários para estimar a dieta habitual dos adolescentes e (3) descrever os padrões dietéticos e de estilo de vida dos adolescentes, a história familiar positiva de DCV e a idade e correlacioná-los com os padrões de risco para DCV, ajustados pela maturação sexual. Foi conduzido um estudo transversal com 432 adolescentes de escolas públicas municipais da cidade do Natal, RN, Brasil, com idade entre 10-19 anos. As dislipidemias foram avaliadas considerando o perfil lipídico, o índice de Castelli I (CT/HDL) e II (LDL/HDL) e o colesterol não-HDL. Os indicadores antropométricos incluídos foram o IMC, a CC e a RCA. A ingestão de energia, dos macronutrientes inclusive a fibra, dos ácidos graxos e do colesterol foi estimada a partir de dois recordatórios de 24h (R24h). As variáveis do perfil lipídico, antropométricas e clínicas foram usadas nos modelos de correlação de Pearson e de regressão linear multivariada, considerando a maturação sexual. A razão de variância da dieta foi calculada entre o componente da variância intrapessoal e interpessoal, determinada pela análise de variância (ANOVA). A xv definição do número de dias para a estimativa da ingestão habitual de cada nutriente foi obtida considerando a correlação hipotética de (r) &#8805; 0,9, entre a ingestão de nutrientes verdadeira e a observada. Utilizou-se a análise de componentes principais (ACP) como método de extração dos fatores que representaram as variáveis dependentes denominadas de risco cardiovascular e obtido a partir do perfil lipídico, do índice de Castelli I e II, do colesterol não-HDL, do IMC, da CC e da RCA. Os padrões dietéticos e do estilo de vida foram obtidos a partir das variáveis independentes, com base nos nutrientes consumidos e na atividade física semanal. No estudo da ACP foram investigadas as associações entre os padrões de risco cardiovascular com os padrões dietéticos e do estilo de vida, idade e com a história familiar positiva de DCV, por meio da análise bivariada e regressão logística múltipla ajustada pela maturação sexual. O baixo HDL-c foi a dislipidemia mais prevalente (50,5%) nos adolescentes. Foram verificadas correlações significativas entre a hipercolesterolemia e a história familiar positiva de DCV (r=0,19, p<0,01); e a hipertrigliceridemia com o IMC (r=0,30, p<0,01), com a CC (r=0,32, p<0,01) e com a RCQ (r=0,33, p<0,01). O modelo linear construído com a maturação sexual, idade e IMC explicaram cerca de 1 10,4% da variação dos valores do perfil lipídico. As fontes de variância interpessoal foram maiores para todos os nutrientes, em ambos os sexos. As razões de variâncias foram &#61500; 1 para todos os nutrientes sendo mais elevadas no sexo feminino. Os resultados sugerem que para avaliar a dieta destes adolescentes, 2 dias de R24h seriam suficientes para consumo de energia, carboidratos, fibra, ácidos graxos saturados e monoinsaturados. Diferentemente, 3 dias seria o recomendado para a proteína, xvi lipídeos, os ácidos graxos poliinsaturados e o colesterol. Dois fatores denominados de risco cardiovascular foram extraídos na ACP, referentes às variáveis dependentes: o padrão perfil lipídico (HDL-C e colesterol não-HDL) e o padrão indicador antropométrico (IMC, CC, RCA), com um poder de explicação de 75% da variância dos dados originais. Os fatores representativos das variáveis independentes originaram dois padrões dietéticos, padrão dieta ocidental e padrão dieta protéica ; e um relativo ao estilo de vida, padrão equilíbrio energético . Em conjunto, estes padrões fornecem um poder de explicação de 67%. Feito o ajuste pela maturação sexual, permaneceram significativas no sexo masculino as seguintes variáveis: as associações entre ser púbere e o padrão indicador antropométrico (OR=3,32, IC% 1,34-8,17); e entre a história familiar de DCV e o padrão perfil lipídico (OR=2,62, IC% 1,20-5,72). No sexo feminino, identificaram-se associações entre a idade após a primeira fase da puberdade com os padrões indicadores antropométricos (OR=3,59, IC% 1,58-8,17) e do perfil lipídico (OR=0,33, IC% 0,15-0,75). Conclusões: O baixo HDL-c foi a mais prevalente dislipidemia independente do sexo e do estado nutricional dos adolescentes. A hipercolesterolemia teve influência da história familiar positiva de DCV e da maturação sexual; por sua vez, a hipertrigliceridemia foi fortemente associada aos indicadores antropométricos. A variância interpessoal da dieta foi a maior para todos os nutrientes. Tal fato repercutiu em uma razão de variância menor que 1 e consequentemente em um menor número de dias necessários para se estimar a dieta habitual dos adolescentes, considerando o sexo. Os dois padrões dietéticos extraídos foram considerados não saudáveis e o padrão estilo de vida como saudável. As associações encontradas foram entre os padrões de xvii risco para DCV com a idade e a história familiar positiva de DCV nos adolescentes estudados
URI: http://repositorio.ufrn.br:8080/jspui/handle/123456789/13215
Aparece nas coleções:PPGCSA - Doutorado em Ciências da Saúde

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
SeverinaCVCL_TESE.pdf1,77 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.