Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/14667
Título: A banalização da injustiça social no cotidiano de trabalho : a propósito da violência no trabalho e ameaça à saúde do trabalhador
Autor(es): Bila, Neyla Ivanete Gomes de Farias Alves
Palavras-chave: Enfermagem do trabalho;Saúde do trabalhador;Violência;Condições de trabalho;Nursing work;Workers health;Violence;Conditions to the work
Data do documento: 29-Dez-2008
Editor: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citação: BILA, Neyla Ivanete Gomes de Farias Alves. A banalização da injustiça social no cotidiano de trabalho : a propósito da violência no trabalho e ameaça à saúde do trabalhador. 2008. 191 f. Dissertação (Mestrado em Assistência à Saúde) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2008.
Resumo: Analyzes the factors that unleash violence by banalization of the problems and health questions of workers in a federal public institution, in Natal/RN. It analyzes transformations in the world of the work, with its politic, social and economic determinatives and its relation to the worker health. Boarding the violence in the work enviroment and its implications to the worker health, focusing on the banalization of problems faced by the workers as a kind of violence in and with the work. It was chosen an analitic methodology with qualitative approach, through the collection tecnic and information analyzes according to the thematic oral history, with recorders of authorized personal narratives, through individual interview with a semi-structured guide. In the analyzis of results it were made empiric cathegories: the daily work enviroment and its influence to the worker profession and life; the violence presents in the work enviroment and its consequences to the worker life and health; the banalization of the social injustice, due to violence against the worker that broked their dreams concerned to the nursing contribution. The results revealed the ordinary work of these workers showing enviromental and organizational unhealthy conditions, caracterized by physical and tecnical insecurity; absence and disqualification of instrumental and human supplies; overload and complexity service; bad distribution of the duties and pressure to the deadline and productivity, producing tension, conflict and anxiety related to the users, colleagues, superiors and to the duties. In the work enviroment, it were identified a external violence, caracterized by physical and verbal aggresion, psychic suffering, worker depreciation; and internal, caracterized by: moral and psychological molestations and accupational structural violence. These kinds of violence bring consequences to the life, that is, professional, economic and moral order of factors and to the health by biological, mental and emocional factors. The banalization of social injustice during the daily work was discussed in the aspects of banalization of problems and work conditions, the health, qualification banalizations and professional valorization. The workers expectatives pointed out to the necessity of: secure conditions of work; trainning and tecnical assistance; politics of attention to the physical, mental and social health to the workers and their family. We conclude the enviromental and organizational conditions of the workers interviewed do not offer physical and tecnical security that they need to the execution of their activities, neither offer comfort or physical and psychological satisfactions. The politic the instituition has used points out to the depreciation and inhumanization of them producing feelings as unsatisfaction, frustation and indignation related to the institution and the work, bringing suffering and physical and mental sicking. We noticed the most terrible violence found in the work enviroment is the banalization of social injustice related do the problems and health of these workers, producing a slowly debility and simbolic death of their lifes. Therefore, it is necessary the implementation of a politic that promotes assurance, health and integral education, valorization and humanization of these workers
metadata.dc.description.resumo: Analisa os fatores que desencadeiam violência pela banalização dos problemas e das questões da saúde dos trabalhadores em uma instituição pública federal, em Natal/RN. Analisa as transformações no mundo do trabalho, com seus determinantes políticos, sociais e econômicos e sua relação com a saúde do trabalhador. Aborda a violência no ambiente de trabalho e suas implicações na saúde do trabalhador, enfocando a banalização dos problemas enfrentados por esses trabalhadores como uma forma de violência no e com o trabalho. Foi utilizada metodologia analítica com abordagem qualitativa, através da técnica de coleta e análise de informações segundo a história oral temática, com gravações consentidas de narrativas pessoais, através da entrevista individual com roteiro semi-estruturado. Na análise dos resultados foram construídas as categorias empíricas: o cotidiano no ambiente de trabalho e sua influência na profissão e na vida dos trabalhadores; a violência presente no ambiente de trabalho e suas conseqüências na vida e na saúde dos trabalhadores; a banalização da injustiça social, a propósito da violência contra o trabalhador e sonhos divisados, a propósito da contribuição da enfermagem. Os resultados revelam que o cotidiano de trabalho desses trabalhadores, apresentam condição ambiental e organizacional insalubres, caracterizada pela insegurança física e técnica; falta e desqualificação de recursos instrumentais e humanos; sobrecarga e complexidade do serviço; má distribuição das tarefas e pressão por prazo e produtividade, gerando tensão, conflito e ansiedade relacionados com os usuários, colegas, superiores, e com a tarefa. No ambiente de trabalho foram identificadas a violência externa, caracterizada por agressão física e verbal, sofrimento psíquico e desvalorização do trabalhador e interna, caracterizada por assédio moral, assédio psicológico, e violência estrutural ocupacional. Essas formas de violência trazem conseqüências à vida, explicitadas por fatores de ordem profissional, econômica e moral, e à saúde, por fatores de ordem biológica, mental e emocional. A banalização da injustiça social no cotidiano de trabalho foi discutida nos aspectos da banalização dos problemas e das condições de trabalho, da banalização da saúde, e da banalização da qualificação e valorização profissional. As expectativas dos trabalhadores apontaram para a necessidade de: condições de trabalho seguras; treinamentos e assistência técnica; política de atenção a saúde física, mental e social para os trabalhadores, extensiva à família. Conclui-se que as condições ambientais e organizacionais dos trabalhadores pesquisados, não oferecem segurança física e técnica de que os trabalhadores necessitam para a execução de suas atividades, nem oferecem conforto e bem-estar físico e psíquico. A política que vem sendo utilizada pela instituição, aponta para a desvalorização e desumanização destes, acarretando sentimento de insatisfação, frustração e indignação com respeito a instituição e ao trabalho, acarretando sofrimento e adoecimento físico e mental. Constatou-se que a forma mais cruel de violência presente no ambiente de trabalho é a banalização da injustiça social diante dos problemas e saúde desses trabalhadores, gerando padecimento lento e morte simbólica de seus sonhos e de suas vidas. Portanto faz-se necessário a implementação de uma política que promova segurança, saúde, educação integral, valorização e humanização desses trabalhadores.
URI: http://repositorio.ufrn.br:8080/jspui/handle/123456789/14667
Aparece nas coleções:PPGE - Mestrado em Enfermagem

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
NeylaIGFAB.pdf2,2 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.