Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/14669
Título: O sofrimento do paciente na UTI : escutando a sua experiência
Autor(es): Ribeiro, Kátia Regina Barros
Palavras-chave: Unidade de Terapia Intensiva;Sofrimento;Cuidar;Intensive Care Unit;Distress;to Care
Data do documento: 19-Fev-2009
Editor: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citação: RIBEIRO, Kátia Regina Barros. O sofrimento do paciente na UTI : escutando a sua experiência. 2009. 90 f. Dissertação (Mestrado em Assistência à Saúde) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2009.
Resumo: In tertiary care, the Intensive Care Unit (ICU) is nowadays one of the most complex settings in providing care to critically ill patients and could make the difference in favor of life. Nevertheless, the stigma of death which pervades the imagination when the ICU is mentioned and the excessive importance placed on machines rather than on the human being end up by causing distress to some extent. As the purpose of this investigation is to understand the distress caused to a patient in an ICU, it has been grounded on the following question: What kind of distress does a patient go through during his/her experience in an ICU? This study has, therefore, an analytical and reflexive character embedded in a qualitative dimension of a phenomenological approach based on narratives. To this purpose, five patients were interviewed from November to December 2008. Out of the empirical material gathered from these narratives we were able to identify several factors that cause distress to ICU patients. Among them were: the certainty that they are critically ill and fear death, a closed room, too much lighting, a typical loneliness arising from being isolated from family members and dear ones, lack of communication with the professional staff, and noise; besides having to undergo therapeutic procedures. In summary, although the ICU is seen as a place of distress, in many aspects and in accord with this research, such distress can and should be relieved. On the other hand, being near to death leads them to a redefinition of life, said the patients.
metadata.dc.description.resumo: Na atenção terciária, é a Unidade de Terapia Intensiva (UTI), na atualidade, um dos cenários de maior complexidade no atendimento ao paciente grave, podendo fazer a diferença em favor da vida. No entanto, o estigma da morte que permeia o imaginário da população - quando se fala em UTI -, a supervalorização da máquina, em detrimento do ser humano, terminam impondo algum sofrimento. Tendo como objetivo compreender o que sofre o paciente em uma UTI, esta investigação pautouse no seguinte questionamento: O que sofre o paciente durante sua experiência na UTI? Trata-se, portanto, de um estudo de caráter analítico e reflexivo, inserido numa dimensão qualitativa de abordagem fenomenológica, com base em narrativas. Com este propósito, foram entrevistados cinco pacientes entre os meses de novembro e dezembro de 2008. Do material empírico, resultante das referidas narrativas, pudemos identificar vários fatores que geram sofrimento em paciente na UTI, dentre os quais destacamos: a certeza da gravidade e o medo da morte, o ambiente fechado, a iluminação em excesso, a solidão caracterizada pelo distanciamento dos familiares e entes queridos, a falta de comunicação com os próprios profissionais, o barulho, além da submissão aos procedimentos terapêuticos. Em síntese, mesmo reconhecendo a UTI como um espaço que leva ao sofrimento, em muitos aspectos, conforme a pesquisa, esse sofrimento pode e deve ser atenuado. Por outro lado, a proximidade da morte conduz a uma redefinição da vida, conforme expressaram os pacientes
URI: http://repositorio.ufrn.br:8080/jspui/handle/123456789/14669
Aparece nas coleções:PPGE - Mestrado em Enfermagem

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
KatiaRBR.pdf321,04 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.