Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/14789
Título: O conhecimento e as atitudes das famílias de pacientes em tratamento em tuberculose na atenção primária à saúde
Autor(es): Queiroz, Ana Angélica Rêgo de
Palavras-chave: Conhecimento. Atitudes. Tuberculose. Percepções. Atenção Primária à Saúde;Knowledge. Attitudes. Tuberculosis. Perceptions. Primary Health Care
Data do documento: 14-Dez-2012
Editor: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citação: QUEIROZ, Ana Angélica Rêgo de. O conhecimento e as atitudes das famílias de pacientes em tratamento em tuberculose na atenção primária à saúde. 2012. 91 f. Dissertação (Mestrado em Assistência à Saúde) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2012.
Resumo: This study thus sought to examine knowledge about TB and attitudes of patients families in disease treatment in Primary Health Care in Natal- RN. To this end, a cross-sectional study was undertaken through a questionnaire with families of patients diagnosed with TB and follow up by APS from Natal. The study subjects were recruited from a non-probabilistic way, by convenience, contemplating a sample of 50 families. Among the criteria considered for inclusion of subjects, older than 18 years were considered, as well as residing with the TB patient and in Natal and availability to participate in the research. Data collection was performed by own researcher and an assistant, through a questionnaire with families of patients diagnosed with TB following the double independent digitalization of data. In the analytical phase, was initially conducted an exploratory phase and univariate data, with description of the position measurements (mean, median, mode) and dispersion (confidence interval and standard deviation). In bivariate analysis, it was conducted an intersection of dependent variables of knowledge e and changes of attitude dichotomous, with each of the independent variables, using contingency tables and calculating the chi-square test and, when appropriate, the Fisher exact test. In 2x2 tables, calculated the odds ratio (OR) with confidence intervals of 95% (95% CI). From the selected sample, 43 (86%) subjects were female, average age and median respectively of 46.64 and 46.50 years, 25 (50%) had elementary school. The knowledge expressed by family members about TB was considered satisfactory. However, the lack of interest of the family (54%) in seeking information about tuberculosis; the wrong way of reply in relation to the organism causing the disease (64%); the water content (62%) and contaminated food (54% ) as a means of spreading TB was a weakness identified in the investigation. Regarding the time of transmission, 90% of respondents indicated not know or answered wrong. From investigated independent variables, only two were associated with lack of knowledge of TB, and they did not have religion (OR: 0.146, 95% CI: 0.027 to 0.800) and income below 1, 7 minimum wages (OR: 0.155, 95% CI: 0.029 to 0.813). Thus they seem to exercise a protective effect on this outcome. As for the changes in attitude, most of the found variables had no association with statistical significance, except no internet access (OR: 0.212, 95% CI: 0,048-0, 935). Most attitudes were positive in relation to TB patient. Results have demonstrated weaknesses in TB care, which has taken on a more individual and welfare character. Data not only express health outcomes produced by health services, but also the political and social situation of the families that are affected by TB
metadata.dc.description.resumo: A presente investigação analisa o conhecimento sobre TB e as atitudes das famílias de pacientes em tratamento da doença na Atenção Primária à Saúde em Natal/RN. Consiste em um estudo de corte transversal, realizado através da aplicação de questionário junto às famílias de pacientes diagnosticados de TB e em seguimento pela APS de Natal. Os sujeitos da pesquisa foram recrutados de forma não probabilística, por conveniência, contemplando uma amostra de 50 familiares. Dentre os critérios de inclusão dos sujeitos, estão idade acima de 18 anos, residir com o doente de TB em Natal e disponibilidade de participação da pesquisa. A coleta de dados foi realizada pela pesquisadora e uma assistente, através de um formulário previamente testado em realidade semelhante, junto aos familiares do doente de TB.Procedeu-se a dupla digitação independente dos dados. Na etapa analítica, inicialmente foi conduzida a fase exploratória e univariada dos dados, com descrição das medidas de posição (média, mediana, moda) e dispersão (intervalo de confiança e desvio-padrão). Na análise bivariada, os autores efetuaram o cruzamento das variáveis dependentes e dicotômicas − conhecimento e mudanças atitudes ,com cada uma das variáveis independentes, por meio de tabelas de contingência, sendo aplicado o teste qui-quadrado e, quando necessário, o teste exato de Fisher. Nas tabelas 2x2, computou-se o odds ratio (OR) com respectivos intervalos de confiança de 95% (IC 95%). Da amostra selecionada, 43 (86%) sujeitos eram do sexo feminino, com idade média e mediana respectivamente de 46,64 e 46,50 anos; 25 (50%) possuíam o ensino fundamental. O conhecimento expresso pelos familiares sobre a TB foi considerado satisfatório. Entretanto, a falta de interesse dos familiares (54%) em procurar informações sobre a tuberculose; a forma incorreta da resposta em relação ao microrganismo causador da doença (64%); a indicação de água (62%) e alimentos contaminados (54%) como meios de disseminação da TB foi uma fragilidade identificada na investigação. Em relação ao tempo de transmissão da doença, 90% dos entrevistados indicaram não saber ou responderam errado. Das variáveis independentes investigadas, apenas duas apresentaram associação com o não conhecimento de TB, sendo elas não possuir religião (OR: 0,146; IC95% : 0,027-0,800) e renda abaixo de 1,7 salários mínimos (OR : 0,155; IC95%: 0,029-0,813), parecendo elas exercerem um efeito protetor sobre este desfecho. Quanto às mudanças de atitude, a maioria das variáveis consideradas não teve associação com significância estatística, exceto o não acesso à internet (OR: 0,212; IC95%:0,048-0,935). A maioria das atitudes foi positiva em relação ao doente de TB. Os resultados demonstram fragilidades na atenção à TB, que tem assumido um caráter mais assistencialista e individual. Os dados não somente expressam os resultados sanitários produzidos pelos serviços de saúde, mas a conjuntura política e social das famílias que são acometidas pela TB
URI: http://repositorio.ufrn.br:8080/jspui/handle/123456789/14789
Aparece nas coleções:PPGE - Mestrado em Enfermagem

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
AnaARQ_DISSERT.pdf1,59 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.