Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/14791
Título: Relações interpessoais no ambiente de trabalho da equipe de enfermagem: uma ação comunicativa
Autor(es): Silva, Mariana Pereira da
Palavras-chave: Enfermagem. Relações interpessoais. Saúde do trabalhador. Comunicação;Nursing. Interpersonal. Relationships. Worker s Health. Communication
Data do documento: 20-Fev-2013
Editor: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citação: SILVA, Mariana Pereira da. Relações interpessoais no ambiente de trabalho da equipe de enfermagem: uma ação comunicativa. 2013. 147 f. Dissertação (Mestrado em Assistência à Saúde) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2013.
Resumo: The current study strives to address the interpersonal relationships of the nursing team from the perspective of the communicative action, by contributing to the health work process. It aims to analyze the interpersonal relationships of the nursing team in its work environment. This is a descriptive study with a qualitative approach. Data collection wal held from interviews, guided by a script with open questions. The study was conducted at a state hospital in the city of Natal/RN/Brazil. The research subjects were the workers of the nursing team, including nurses, nursing technicians and nursing assistants, totaling 16 subjects. The capture of information was performed in April 2012. The project was approved by the Ethics Research Committee, under CEP/UFRN protocol n. º 262/11 and Certificate of Presentation for Ethical Consideration n. º 0289.0.051.000-11. The analysis was performed from the categories that emerged from the research through a dialogue with the authors studied in the theoretical framework of the Theory of communicative action , by Jürgen Habermas, as well as The changing in the world of work, by Ricardo Antunes, and Characterization of the team , by Marina Peduzzi. The outocomes point out that the interpersonal relationship of the nursing team is very troubled, with no interaction among the individuals involved in this process, among themselves and with other health professionals. We have developed a particular concept about team, which is comprised of three essential elements: multiplicity of individuals, common objective and heterogeneity. In the studied environment, it was realized the existence of grouping teams. The interpersonal relationship of the nursing can be a facilitator or an obstacle in the workplace in such a way that causes positive or negative consequences, both to the health workers, and to the sicks. In this context, the interviewees have intensified their viewpoints with regard to the weaknesses that permeate the nursing relationship, by pointing them more frequently than the strengths. The work conditions have signaled a failing situation, which is evidenced by the constant improvisation process before the lack of human and material resources, low wages, deficit in recognizing the nursing worker, and physical and emotional wear, by creating a professional exhaustion. The devaluation of the worker also became a strong factor for this study, because it was characterized a reason of job dissatisfaction, due to the lack of valuation policies, which should be prepared by the institution or, even, they are unknown by the worker itself. The worker participation in the design of these policies has emerged as a relevant factor. The poor work conditions lead the worker to a process of professional demotivation and dissatisfaction, by causing the feeling of devaluation within its work environment. Hence, it was found in this research that the lack of communication leads to situations of inadequate interpersonal relationships, which are creators of an unsuitable environment for the performance of the nursing team
metadata.dc.description.resumo: O presente estudo pretende abordar as relações interpessoais da equipe de enfermagem sob a ótica da ação comunicativa, contribuindo para o processo de trabalho em saúde. Tem como objetivo analisar as relações interpessoais da equipe de enfermagem em seu ambiente de trabalho. Trata-se de um estudo descritivo com abordagem qualitativa. A coleta das informações ocorreu a partir de entrevistas individuais, guiadas por um roteiro com questões abertas. O estudo foi realizado em um hospital estadual no município de Natal/RN. Os sujeitos da pesquisa foram os trabalhadores da equipe de enfermagem, incluindo enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem, totalizando 16 sujeitos. A captação das informações ocorreu no mês de Abril de 2012. O projeto foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa, sob protocolo CEP/UFRN 262/11 e Certificado de Apresentação para Apreciação Ética nº 0289.0.051.000-11. A análise foi realizada a partir das categorias que emergiram da pesquisa através de um diálogo com os autores estudados no referencial teórico da Teoria da ação comunicativa , de Jürgen Habermas, como também as Transformações do mundo do trabalho , de Ricardo Antunes, e a Caracterização de equipe , de Marina Peduzzi. Os resultados apontam que o relacionamento interpessoal da equipe de enfermagem é bastante conflituoso, não havendo interação entre os sujeitos envolvidos neste processo, entre si e com os demais profissionais da saúde. Elaborou-se um conceito próprio de equipe, composto por três elementos essenciais: multiplicidade de indivíduos, objetivo comum e heterogeneidade. No ambiente estudado, percebeu-se a formação de equipes agrupamentos. O relacionamento interpessoal da enfermagem pode ser um fator facilitador ou conturbador do ambiente laboral, de tal forma que cause consequências positivas ou negativas, tanto nos trabalhadores da saúde, quanto nos doentes. Nesse contexto, as entrevistadas intensificaram suas observações em relação às fragilidades que permeiam as relações da Enfermagem, por apontá-las de modo mais constante em relação às fortalezas. As condições de trabalho sinalizaram para uma precarização evidenciada pelo constante processo de improvisação diante da falta de recursos humanos e materiais, baixa remuneração salarial, déficit no reconhecimento do trabalhador de enfermagem e desgaste físico e emocional, gerando um esgotamento do profissional. A desvalorização do trabalhador tornou-se também um fator marcante para esse estudo, por se caracterizar em um motivo de insatisfação profissional, devido à falta de políticas de valorização elaboradas pela instituição ou, até mesmo, desconhecidas pelo próprio trabalhador. A participação do trabalhador na elaboração dessas políticas despontou como relevante. As condições precárias de trabalho levam o trabalhador a um processo de insatisfação e desmotivação profissional, ocasionando o sentimento de desvalorização em seu ambiente de trabalho. Assim, constatou-se na presente pesquisa que a ausência da comunicação conduz a situações de relacionamentos interpessoais inadequados, criadores de um ambiente impróprio ao trabalho da equipe de enfermagem
URI: http://repositorio.ufrn.br:8080/jspui/handle/123456789/14791
Aparece nas coleções:PPGE - Mestrado em Enfermagem

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
MarianaPS_DISSERT.pdf2,67 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.