Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/16461
Title: Conveniência e plausibilidade da proposição de que justiça é harmonia n A República de Platão
Authors: Lima, Jorge dos Santos
Keywords: Sócrates. Trasímaco. Ironia;Socrates. Thrasymachus. Irony
Issue Date: 5-Nov-2013
Publisher: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citation: LIMA, Jorge dos Santos. Conveniência e plausibilidade da proposição de que justiça é harmonia n A República de Platão. 2013. 186 f. Tese (Doutorado em Metafísica) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2013.
Portuguese Abstract: Essa tese de doutorado defende a interpretação de que n A República de Platão o argumento elaborado por Trasímaco, no qual justiça é a conveniência do mais forte, está implicitamente aceito por Sócrates. Apesar da defesa enfatizada por Trasímaco não demonstrar nenhuma afinidade com o argumento de Sócrates, ela propõe um comentário irônico e sarcástico sobre vida política. Sócrates aceita esse comentário para derivar dele uma noção mais refinada da categoria dos mais poderosos. Enquanto Trasímaco assume que a conveniência dos mais poderosos inclui o poder de submeter todos e tudo a seus prazeres individuais, Sócrates admite que os mais poderosos estejam definidos apenas pela sua característica de ser capaz de manter o poder em perpetuidade. Nesse contexto, o tema principal d A República é que a harmonia entre as classes funcionais da cidade é conveniente para poder perpétuo. Para conservação dessa harmonia, a classe funcional dos mais poderosos vê como conveniente renunciar um possível monopólio sobre prazer em prol de uma redistribuição que promova a harmonia, o que também se torna conveniente para as demais classes. Assim, pode-se dizer que os mais poderosos divulgam o sentido de justiça como sendo a conveniência de todos, mas que implicitamente acreditam somente no argumento de que a justiça é o que lhes é conveniente. Uma vez que a conveniência é o que promove a harmonia entre as classes funcionais, torna-se conveniente para Sócrates a crença de que a compreensão de justiça dos mais poderosos não seja divulgada publicamente. Também faz parte do argumento central d A República a noção de que toda a especulação presente no diálogo entre seus personagens não pode ser verdadeira, mas, na melhor das hipóteses, apenas plausível e conveniente. Sócrates precisa modificar a natureza das classes funcionais através de um programa direcionado de reprodução sexual e um programa de doutrinação ideológica para que a proposta de promover a harmonia através dos elementos da cidade, sob a alegação de que a justiça está a favor do mais fraco, torne-se o discurso mais plausível e conveniente. Para fazer o novo regime mais plausível, Sócrates desenvolve uma metafísica fundamentada na noção matemática de harmonia, tal metafísica a serviço da retórica oficial do regime político apresentado por Sócrates
Abstract: This thesis endorses the interpretation that in Plato`s Republic the argument made by Thrasymachus in which justice is the convenience of the most powerful one is implicitly accepted by Socrates. Although Thrasymachus´ discussion does not show any similarity with the argument of Socrates, it proposes a sarcastic and ironic comment on political life. Socrates accepts this comment to develop a more refined notion of the category of the most powerful ones. While Thrasymachus assumes that the convenience of the most powerful ones includes the power to subordinate all and everything to their individual pleasures, Socrates admits that the most powerful ones are defined only by their characteristic of being able to hold power in perpetuity. In this context, the main theme of The Republic is that the harmony between the functional classes of the city is convenient for perpetual power. For preservation of harmony, the functional class of the most powerful considers the convenience of forsaking a possible monopoly on pleasure towards a redistribution that promotes harmony, which also makes it convenient for the other classes. Thus, we can explicitly say that the most powerful ones believe in a sense of justice as convenience for everyone, but implicitly believe only in the argument that justice is what is convenient for themselves. Since convenience is what promotes harmony between functional classes, it becomes convenient to Socrates to believe that the understanding justice that the most powerful ones have is not publicly disclosed. The notion that all the speculation of the dialogue between the characters cannot be true, but, at best, only plausible and convenient is also part of the central argument in The Republic. Socrates needs to modify the nature of the functional classes through a targeted program of sexual reproduction and a program of ideological indoctrination so that the proposal to promote harmony through the elements of the city, declaring that justice is in favor of the weakest becomes a more plausible and convenient speech. To make the new system more plausible, Socrates develops a metaphysics based on the mathematical notion of harmony, such metaphysics serving the official rhetoric of the political regime presented by Socrates
URI: http://repositorio.ufrn.br:8080/jspui/handle/123456789/16461
Appears in Collections:PPGFIL - Doutorado em Filosofia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
JorgeSL_TESE.pdf1 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.