Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/19846
Título: Estudo da influência dos genes LRP5, TGFB1, IGF1 e IGF1R no metabolismo ósseo de pacientes com diabetes mellitus tipo 1
Autor(es): Souza, Karla Simone Costa de
Palavras-chave: Diabetes mellitus 1;Osso;Expressão gênica e polimorfismo
Data do documento: 31-Jul-2013
Editor: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citação: SOUZA, Karla Simone Costa de. Estudo da influência dos genes LRP5, TGFB1, IGF1 e IGF1R no metabolismo ósseo de pacientes com diabetes mellitus tipo 1. 2013. 111f. Dissertação (Mestrado em Ciências Farmacêuticas) - Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2013.
metadata.dc.description.resumo: A osteopatia é uma complicação crônica do diabetes tipo 1 (DM1). Alguns mecanismosvêm sendo propostos como principais fatores que desencadeiam alterações no tecido ósseo, dentreeles: a idade ao diagnóstico, tempo de doença, a presença de nefropatia e o controle glicêmicoinsatisfatório. Neste sentido, o objetivo do presente estudo foi avaliar a expressão de RNAm dosgenes TGFB1, IGF1 e IGF1R e polimorfismos nos genes LRP5, TGFB1 e IGF1 de pacientes comDM1, e associá-los com a presença de alterações no metabolismo ósseo. Foram estudados 100indivíduos normoglicêmicos (NG) e 101 pacientes com DM1, entre 6 e 20 anos. Os pacientesdiabéticos foram analisados em sua totalidade (grupo DM1), e subdivididos em dois grupos, deacordo com o controle glicêmico: diabéticos compensados (grupo DM1C) e diabéticos nãocompensados (grupo DM1NC). Avaliou-se o controle glicêmico (glicemia de jejum ehemoglobina glicada); a função renal (ureia e creatinina séricas, e relação albumina/creatinina -RAC urinária); e o metabolismo ósseo (cálcio total e ionizado, fósforo, atividade da fosfatasealcalina total - FAL e densidade mineral óssea - DMO) dos indivíduos estudados. Também foideterminada a expressão do RNAm dos genes TGFB1, IGF1 e IGF1R e polimorfismos nos genesLRP5, TGFB1 e IGF1. A maioria dos indivíduos com DM1 (65,3%) apresentou controleglicêmico insatisfatório (hemoglobina glicada >8%). Em relação à função renal, observou-se umaumento significativo nas concentrações de ureia sérica nos grupos DM1, DM1C e DM1NC e umaumento da RAC no grupo DM1NC em relação ao NG. No tocante aos marcadores bioquímicosdo metabolismo ósseo houve uma diminuição das concentrações séricas de cálcio total nos gruposDM1, DM1C e DM1NC, e das concentrações de cálcio ionizado no grupo DM1 quandocomparados ao grupo NG. Também, houve um aumento significativo da atividade da FAL nogrupo DM1 em relação ao NG. A DMO estava significativamente diminuída no grupo DM1quando comparado ao NG, sendo observada uma prevalência de 16,7% de indivíduos diabéticostipo 1 com baixa DMO. Na análise molecular, foram observadas diminuições significativas naexpressão dos genes TGFB1 e IGF1, e aumento significativo da expressão do gene IGF1R para ogrupo DM1 quando comparados ao NG. As frequências genotípicas e alélicas dos polimorfismosestudados foram significativas apenas para o polimorfismo do gene LRP5, demonstrando umaassociação deste polimorfismo com a susceptibilidade ao DM1. Porém, não foram observadasassociações entre os polimorfismos e a osteopatia diabética. Estes resultados sugerem que ocontrole glicêmico insatisfatório, em conjunto com a presença de fatores de risco e alterações emgenes envolvidos intimamente no metabolismo ósseo, interfere na formação deste tecido,contribuindo para uma redução da DMO.
URI: http://repositorio.ufrn.br/handle/123456789/19846
Aparece nas coleções:PPGCF - Mestrado em Ciências Farmacêuticas

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
KarlaSimoneCostaDeSouza_DISSERT_unprotected.pdf1,64 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.