Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/19901
Título: No cotidiano da escola: o pensar e agir de jovens e adultos
Autor(es): Silva, Daisy Clecia Vasconcelos da
Palavras-chave: Educação de Jovens e Adultos;Cotidiano escola;Práticas pedagógicas;Sujeitos da EJA
Data do documento: 11-Mai-2012
Editor: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citação: SILVA, Daisy Clecia Vasconcelos da. No cotidiano da escola: o pensar e agir de jovens e adultos. 2012. 131f. Tese (Doutorado em Educação) - Centro de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2012.
Resumo: The necessity of the view of the Youth and Adults Education (EJA) subjects beyond of their academic failures becomes imperative for a reconfiguration of this teaching modality. Thus, the compromise of this study is to go into these subjects‘ universe, give them a voice and, therefore, understand, in general, the web of relationships between these subjects and the school. It is understood that it is not possible to figure out the means attributed by the subjects without consideration, as an essential element, the social context in which such means has been built. For the development of this study, the methodology adopted was the ethnographic research. The procedures used for the data construction were the participative observation, the semi-structured interviews with a focal group, and the individualized semi-structured interviews. For the understanding of the data constructed in the field, the content analysis technique was used, which reach the expectations of an interpretative analysis. The observation occurred mainly in the classrooms, on a public school, located in a City of Natal/RN. The interviews were taken with a sample of eight students, males and females, with 25 to 60 year-olds. Such interviews highlight that for the young adult students, the school is much more than a place to learn. They realize such space as enabler of social interaction, as well as the possibility of rising through new professional horizons and, therefore achieve a social mobility. For the older students, mainly among women, the return to the school benches brings into the learning discourse, the desire of making new friends, having moments of meeting, chatting and relaxation, finally, to forget the problems of the day by day. The school quotidian observation allows a better understanding of the action of the subjects in relationship with the school practices. Finally, it can be affirmed that seeking for the school has not only the intention to recover the time lost in the childhood. Learning remains as a secondary goal. It does not matter whether they will be retained or promoted to the next level at the end of the academic year, what really matters is to be in school.
metadata.dc.description.resumo: A necessidade de ver os sujeitos da Educação de Jovens e Adultos – EJA para além de seus fracassos escolares torna-se imprescindível para uma reconfiguração desta modalidade de ensino. Portanto, o compromisso desta pesquisa é adentrar no universo desses sujeitos, dar-lhes voz e, com isso, compreender a teia de relações que se dá entre esses sujeitos e a escola de uma maneira geral. Entende-se não ser possível compreender os significados atribuídos pelos sujeitos sem considerar, como elemento primordial, o contexto social no qual esses significados são construídos. Para o desenvolvimento deste estudo foi adotada como metodologia a pesquisa etnográfica. Os procedimentos utilizados para a construção dos dados foram observação participante, entrevistas semiestruturadas com grupo focal e entrevistas semiestruturadas individuais. Para a compreensão dos dados construídos no campo, foi utilizada a técnica da análise de conteúdo, que atende às expectativas de uma análise interpretativa. As observações ocorreram principalmente dentro das salas de aula de uma escola municipal, situada na cidade do Natal/RN. As entrevistas individuais foram realizadas com uma amostra de oito alunos, homens e mulheres, com faixa etária entre 25 e 60 anos. As entrevistas evidenciaram que para o jovem e para o adulto, a escola é muito mais do que o lugar onde se aprendem conteúdos. Eles percebem este espaço como propiciador de interação social, e como a possibilidade de galgar novos horizontes profissionais e, dessa forma, alcançar uma ascensão social. Para os alunos mais velhos, em especial às mulheres, esta volta aos bancos escolares traz embutida no discurso da aprendizagem, o desejo de fazer novos amigos, de ter momentos de encontros, conversas e descontração, enfim, de esquecer os problemas do dia-a-dia. A observação do cotidiano escolar permite melhor entender a ação destes sujeitos em relação às práticas escolares. Por fim, afirma-se que a busca pela escola não se dá apenas para recuperar o tempo perdido na infância. Aprender acaba por ser secundário. Não importa se ficarão retidos ou serão promovidos para o nível seguinte, o importante é estar na escola.
URI: http://repositorio.ufrn.br/handle/123456789/19901
Aparece nas coleções:PPGED - Doutorado em Educação

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
DaisyCleciaVasconcelosDaSilva_TESE.pdf1,81 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.