Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/20233
Título: Prevalência e fatores associados à alteração vocal em idosos institucionalizados com capacidade cognitiva preservada
Autor(es): Pernambuco, Leandro de Araújo
Palavras-chave: Envelhecimento;Idoso;Voz;Distúrbios da voz;Disfonia;Estudos transversais
Data do documento: 8-Jun-2015
Editor: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citação: PERNAMBUCO, Leandro de Araújo. Prevalência e fatores associados à alteração vocal em idosos institucionalizados com capacidade cognitiva preservada. 2015. 86f. Tese (Doutorado em Saúde Coletiva) - Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2015.
Resumo: Voice disorders (VD) in the elderly can interfere negatively in communication, emotional well-being and quality of life, conditions that correspond to greater exposure to illness and social isolation bringing consequent economic impact for the health system. It is assumed that institutionalized confinement, weakness and morbidity associated to nursing home (NH) contribute to transform VD an especially prevalent condition in institutionalized elderly, including those without cognitive impairment. Thus, the aim of this study was to determine the prevalence and associated factors of VD in NH elderly residents without cognitive impairment. There is no epidemiological diagnostic instruments of VD for elderly populations, so the first step of this study was dedicated to prepare and analyze the psychometric properties of a short, inexpensive and easy to use questionnaire named Screening for Voice Disorders in Older Adults (Rastreamento de Alterações Vocais em Idosos—RAVI). The methodological procedures of this step followed the guidelines of the Standards for Educational and Psychological Testing and contemplated validity evidence based on test content, based on response processes, based on internal structure and based on relations with other variables, as well as reliability analysis and clinical consistency. The result of the validation process showed that the RAVI final score generate valid and reliable interpretations for the epidemiological diagnosis of VD in the elderly, which endorsed the use of the questionnaire in the second stage of the study, performed in ten NH located in the city of Natal, Rio Grande do Norte. At this stage, data from socioeconomic and demographic variables, lifestyle, general health conditions and characterization of the institution were collected. It was performed a bivariate analysis and it was calculated the prevalence ratio as a magnitude association measure, with a confidence interval of 95%. The variables with p-value less than 0.20 were included in the multiple logistic regression model that followed the Forward selection method. The odds ratio found in the multivariate model was converted into prevalence ratio and the level of significance was 5%. The sample consisted of 117 subjects with predominance of females and average of 79.68 (± 7.92) years old. The prevalence of VD was 39.3% (95% CI: 30.4-48.1%). The multivariate model showed statistically significant association between VD and depressive symptoms, smoking for a year or more and selfreported hearing loss. In conclusion, VD is a prevalent health condition in NH elderly residents without cognitive impairment and is associated with factors involving psychosocial, lifestyle and communicative disability that require attention of managers and professionals involved with NH environment. Strategies to encourage communication and social integration, actions to combat smoking and minimizing the effects of hearing loss could stimulate the physical well-being, emotional and mental health of institutionalized elderly population, contributing to the vocal and communicative maintenance, a more effective social inclusion and better overall health condition.
metadata.dc.description.resumo: No idoso, a alteração vocal (AV) pode interferir negativamente na comunicação, estado emocional e qualidade de vida, condições que correspondem à maior exposição ao adoecimento e isolamento social, com consequente impacto econômico para o sistema de saúde. Supõe-se que os cenários de confinamento, fragilidade e morbidade associados às Instituições de Longa Permanência para Idosos (ILPI) contribuam para que a AV seja especialmente prevalente em idosos institucionalizados, inclusive naqueles sem restrições cognitivas. Nesse sentido, o objetivo do presente estudo foi determinar a prevalência e fatores associados à AV em idosos institucionalizados com capacidade cognitiva preservada. Em virtude da ausência de instrumentos de diagnóstico epidemiológico da AV em idosos, a primeira etapa desse estudo foi dedicada à elaboração e análise das propriedades psicométricas de um questionário curto, de baixo custo e fácil utilização denominado Rastreamento de Alterações Vocais em Idosos (RAVI). Os procedimentos metodológicos dessa etapa seguiram as diretrizes do Standards for Educational and Psychological Testing e contemplaram a obtenção das evidências de validade baseadas no conteúdo do teste, nos processos de resposta, na estrutura interna e nas relações com outras variáveis, além da análise de confiabilidade e dos indicadores de consistência clínica. O resultado do processo de validação mostrou que o escore final do RAVI gera interpretações válidas e confiáveis para o diagnóstico epidemiológico da AV em idosos, o que referendou a utilização do questionário na segunda etapa do estudo, realizada em dez ILPI do município de Natal/RN. Nessa etapa, foram coletadas variáveis socioeconômico-demográficas, de estilo de vida, condições gerais de saúde e caracterização da instituição. Foi realizada incialmente a análise bivariada e como medida de magnitude da associação, calculou-se a razão de prevalência com intervalo de confiança de 95%. As variáveis com valor de p menor que 0,20 foram incluídas no modelo de regressão logística múltipla que seguiu o método de seleção Forward. A razão de chances encontrada no modelo multivariado foi convertida em razão de prevalência e o nível de significância foi de 5%. A amostra foi composta por 117 indivíduos com predomínio do sexo feminino e média de 79,68 (±7,92) anos de idade. A prevalência de AV foi de 39,3% (IC95%: 30,4-48,1%). O modelo multivariado apontou associação estatisticamente significativa entre AV e sintomas depressivos, fumar ou já ter fumado por um ano ou mais e autorreferência de perda auditiva. Conclui-se, portanto, que a AV é uma condição de saúde prevalente em idosos institucionalizados com capacidade cognitiva preservada e está associada a fatores que envolvem aspectos psicossociais, de estilo de vida e incapacidade comunicativa que demandam atenção dos gestores e profissionais envolvidos com ILPI. O investimento em estratégias de incentivo à comunicação e integração social, combate ao tabagismo e minimização dos efeitos da perda auditiva podem estimular o bem estar físico, emocional e mental dos idosos institucionalizados, contribuindo para a manutenção da qualidade vocal e comunicativa satisfatória, inserção social mais plena e melhores condições gerais de saúde.
URI: http://repositorio.ufrn.br/handle/123456789/20233
Aparece nas coleções:PPGSCOL - Doutorado em Saúde Coletiva

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
LeandroDeAraujoPernambuco_TESE.pdf13,54 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.