Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/20799
Título: Behavioural profiles of captive capuchin monkeys (Sapajus spp.): analyses at group and individual levels
Autor(es): Silva, Carolina Pereira Cadório da
Palavras-chave: Bem-estar;Estratégias de enfrentamento ao estresse;Sequências comportamentais;Rede social;Diferenças individuais;Plasticidade comportamental
Data do documento: 20-Ago-2015
Editor: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Citação: SILVA, Carolina Pereira Cadório da. Behavioural profiles of captive capuchin monkeys (Sapajus spp.): analyses at group and individual levels. 2015. 90f. Dissertação (Mestrado em Psicobiologia) - Centro de Biociências, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2015.
Resumo: The use of behavioural indicators of suffering and welfare in captive animals has produced ambiguous results. In comparisons between groups, those in worse condition tend to exhibit increased overall rate of Behaviours Potentially Indicative of Stress (BPIS), but when comparing within groups, individuals differ in their stress coping strategies. This dissertation presents analyses to unravel the Behavioural Profile of a sample of 26 captive capuchin monkeys, of three different species (Sapajus libidinosus, S. flavius and S. xanthosternos), kept in different enclosure types. In total, 147,17 hours of data were collected. We explored four type of analysis: Activity Budgets, Diversity indexes, Markov chains and Sequence analyses, and Social Network Analyses, resulting in nine indexes of behavioural occurrence and organization. In chapter One we explore group differences. Results support predictions of minor sex and species differences and major differences in behavioural profile due to enclosure type: i. individuals in less enriched enclosures exhibited a more diverse BPIS repertoire and a decreased probability of a sequence with six Genus Normative Behaviour; ii. number of most probable behavioural transitions including at least one BPIS was higher in less enriched enclosures; iii. proeminence indexes indicate that BPIS function as dead ends of behavioural sequences, and proeminence of three BPIS (pacing, self-direct, active I) were higher in less enriched enclosures. Overall, these data are not supportive of BPIS as a repetitive pattern, with a mantra-like calming effect. Rather, the picture that emerges is more supportive of BPIS as activities that disrupt organization of behaviours, introducing “noise” that compromises optimal activity budget. In chapter Two we explored individual differences in stress coping strategies. We classified individuals along six axes of exploratory behaviour. These were only weakly correlated indicating low correlation among behavioural indicators of syndromes. Nevertheless, the results are suggestive of two broad stress coping strategies, similar to the bold/proactive and shy/reactive pattern: more exploratory capuchin monkeys exhibited increased values of proeminence in Pacing, aberrant sexual display and Active 1 BPIS, while less active animals exhibited increased probability in significant sequences involving at least one BPIS, and increased prominence in own stereotypy. Capuchin monkeys are known for their cognitive capacities and behavioural flexibility, therefore, the search for a consistent set of behavioural indictors of welfare and individual differences requires further studies and larger data sets. With this work we aim contributing to design scientifically grounded and statistically correct protocols for collection of behavioural data that permits comparability of results and meta-analyses, from whatever theoretical perspective interpretation it may receive.
metadata.dc.description.resumo: O uso de indicadores comportamentais de sofrimento e bem-estar de animais em cativeiro tem produzido resultados ambíguos. Em comparações entre grupos, aqueles em piores condições tendem a apresentar um aumento generalizado em todas as taxas de Comportamentos Potencialmente Indicativos de Estresse (BPIS), mas em comparações dentro de grupos, os indivíduos diferem nas suas estratégias de enfrentamento ao estresse. Esta dissertação apresenta análises para revelar o perfil comportamental de uma amostral de 26 macacos prego em cativeiro, de três espécies diferentes (Sapajus libidinosus, S. flavius e S. xanthosternos), mantidos em diferentes tipos de recinto. No total foram coletadas 147,17 horas de registros comportamentais. Explorámos quatro tipos de análises: Orçamento de Atividades, índices de Diversidade, cadeia de Markov e análise de Sequência, e Análise de Rede Social, resultando em nove índices de ocorrência e de organização comportamental. No capítulo Um exploramos diferenças entre grupos. Os resultados apoiam as predições de que existem diferenças mínimas entre sexo e espécie e são observadas diferenças maiores no perfil comportamental devido ao tipo de recinto: i. indivíduos em recintos com menos enriquecimento ambiental apresentaram um repertório de BPIS mais diverso e uma menor probabilidade de sequências de seis passos de Comportamentos Normativos de Género (GNB); ii. o número de transições comportamentais que incluíam pelo menos um BPIS foi superior em recintos menos enriquecidos; iii. índices de proeminência de BPIS indicam que estes funcionam como pontos fim de sequências comportamentais, e que a proeminência de três BPIS (locomoção aberrante, auto-direccionadas e activas I) foram maiores em recintos menores. No geral, estes dados não corroboram a ideia de que os BPIS têm um padrão repetitivo, com um efeito relaxante, tipo “mantra”. Pelo contrário, a imagem que surge é de que os BPIS são atividades que interrompem a organização dos comportamentos, introduzindo “ruido” que compromete o orçamento de atividades ótimo. No capítulo Dois exploramos diferenças individuais em seis eixos de comportamento exploratório. Estes mostraram-se pouco correlacionados, o que indicam baixa correlação entre indicadores comportamentais de síndromes. No entanto, os resultados sugerem duas estratégias de enfrentamento ao estresse abrangentes, semelhantes ao padrão audaz/proactivo e tímido/reativo: macacos prego mais exploratórios apresentaram maior proeminência em locomoção aberrante, exibição sexual aberrante e ativas I, enquanto que animais menos ativos apresentaram uma maior probabilidade de sequencias com pelo menos um BPIS, e maior proeminência em estereotipia-própria. Macacos prego são conhecidos pelas suas capacidades cognitivas e flexibilidade comportamental, portanto, a procura de um conjunto de indicadores comportamentais de bem-estar consistente requer mais estudos e conjuntos de dados mais amplos. Com este trabalho, pretendemos contribuir para a criação de protocolos, com embasamento científico e estatisticamente corretos, para amostragem de dados comportamentais que permitam a comparabilidade de resultados e meta-análises, de qualquer que seja a interpretação teórica que possa receber.
URI: http://repositorio.ufrn.br/handle/123456789/20799
Aparece nas coleções:PPGPSICO - Mestrado em Psicobiologia

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
CarolinaPereiraCadorioDaSilva_DISSERT.pdf2,51 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.