Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/22050
Título: Efeito do comprimento de onda e da intensidade da luz sobre o ritmo circadiano de atividade motora em saguis (Callithrix jacchus)
Autor(es): Dias, Rosane Maria Simon Lampert
Palavras-chave: Comprimento de onda da luz;Fotoarrastamento;Primatas diurnos;Callithrix jacchus
Data do documento: 29-Jul-2016
Citação: DIAS, Rosane Maria Simon Lampert. Efeito do comprimento de onda e da intensidade da luz sobre o ritmo circadiano de atividade motora em saguis (Callithrix jacchus). 2016. 107f. Tese (Doutorado em Psicobiologia) - Centro de Biociências, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2016.
Resumo: Circadian entrainment depends on a complex interaction between light information and photoreceptor cells. The neurobehavioral circadian light effects are mediated primarily by retinal ganglion cells. Rods and cones operate in light detection and also interfere in the circadian timing system, but the mode of action of these photoreceptors in the control of circadian rhythms in diurnal non-human primates is unknown. Our study evaluated the effect of wavelength and intensity of light on parameters of the circadian activity rhythm in marmosets by analyzing the effect of short and long wavelengths of light in three light intensities. The locomotor activity was monitored by infrared sensors in 16 adult male marmosets, kept in controlled temperature and humidity in a light/dark (LD) cycle 12:12. The effect of two wavelengths in light phase were evaluated: short, with λmax 463 nm - in the spectral region of blue light, and long: with λmax 631 nm - in the spectral region of red light, in three light intensities: 200, 100 and 10 lux, in relation to control condition (fluorescent light). At the end of each stage, the marmosets were maintained in constant light (LL) under 10 lux and 200, to analyze the mechanisms of synchronization. An interval lasting 15 days (fluorescent light - 200 lux/2 lux) was given between the stages with different wavelengths. During the exposure to blue and red lights, the phase angle of the end of active phase was anticipated, and the duration of the active phase and the total daily activity were lower in relation to the control condition, with modulations at 10 lux. There was an increase in the spectral power of circadian period in blue and red lights in LL under 200 lux. We also observed that the duration of the experiment modifies the expression of circadian activity rhythm, possibly affecting the photoreception mechanisms in marmosets. From these results it is suggested that: 1) blue and red wavelengths of light used in LD cycles modify the endogenous expression and photic synchronization of the circadian activity rhythm in marmosets; 2) the animals respond differently to blue and red wavelengths of light at the beginning and end of active phase, with a larger advance the end of active phase, reducing the length of alpha and total daily activity, probably due to a masking effect; 3) the effect of wavelength varies depending on light intensity, with no difference between the intensities of 200 and 100 lux and a greater instability at 10 lux; 4) the duration of exposure of animals to blue and red wavelengths is a factor to be considered in the construction of experimental protocols with this species.
metadata.dc.description.resumo: O fotoarrastamento circadiano depende de uma complexa interação entre informação luminosa e células fotorreceptoras. Os efeitos circadianos neurocomportamentais da luz são mediados primariamente pelas células ganglionares da retina. Cones e bastonetes operam na detecção de luz e também interferem no sistema de temporização circadiana, mas o modo de ação desses fotorreceptores no controle dos ciclos circadianos em primatas não humanos diurnos é desconhecido. Nosso estudo avaliou o efeito do comprimento de onda e intensidade de luz sobre os parâmetros do ritmo circadiano de atividade em saguis, verificando o efeito dos comprimentos de onda curtos e longos da luz, em três intensidades de iluminação. A atividade locomotora de 16 saguis machos adultos mantidos em temperatura e umidade controladas, submetidos a um ciclo claro/escuro 12:12, foi monitorada por sensor infravermelho. Foi avaliado o efeito de dois comprimentos de onda na fase de claro: curto, com λmax 463 nm - na região espectral da luz azul, e longo: com λmax 631 nm - na região espectral da luz vermelha, em três intensidades de iluminação: 200, 100 e 10 lux, em relação à condição controle, feita com luz fluorescente. Ao final de cada etapa, os saguis foram mantidos em claro constante (10 e 200 lux) para verificar os mecanismos de sincronização utilizados. Entre as etapas com diferentes comprimentos de onda, ocorreu um intervalo com duração de 15 dias (luz fluorescente - 200 lux/2 lux). Os resultados evidenciaram que o ângulo de fase do final da fase ativa foi antecipado, e a duração da fase ativa e o total de atividade diária foram menores durante a exposição dos animais às luzes azuis e vermelhas em relação ao controle, com modulações em 10 lux. Houve aumento na potência do RCA durante o uso das luzes azuis e vermelhas em CC na intensidade de 200 lux. Também observamos que a duração do experimento modifica a expressão do ritmo circadiano de atividade, possivelmente por afetar os mecanismos de fotorrecepção dos saguis adultos. A partir destes resultados sugere-se que: 1) os comprimentos de onda azul e vermelho modificam a expressão endógena e a sincronização fótica do RCA em saguis; 2) os animais respondem de modo distinto aos comprimentos de onda azul e vermelho no início e fim da fase ativa, com maior antecipação no final da fase ativa, reduzindo a duração da fase ativa e o total de atividade diária, provavelmente por um efeito de mascaramento do ritmo; 3) O efeito do comprimento de onda varia em função da intensidade de luz, sem diferenças entre as intensidades de 200 e 100 lux, com maior instabilidade em 10 lux; 4) a duração da exposição dos animais aos comprimentos de onda azul e vermelho é um fator a ser considerado na construção de protocolos experimentais com essa espécie.
URI: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/22050
Aparece nas coleções:PPGED - Doutorado em Educação

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
RosaneMariaSimonLampertDias_TESE_unprotected.pdf20,97 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.