Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/22267
Título: O funk no paço: o funk como fator de circulação e integração com jovens da cidade
Autor(es): Silva, Carlos Roberto de Morais e
Palavras-chave: Funk;juventude;imagens;violência;cultura
Data do documento: 10-Out-2014
Citação: SILVA, Carlos Roberto de Morais e. O funk no paço: o funk como fator de circulação e integração com jovens da cidade.. 2014. 115f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2014.
Resumo: O funk tem sido objeto de estudo em diversos campos de produção de conhecimento, entre eles temos a antropologia urbana que vem proporcionando uma vasta produção com a temática do funk. No presente trabalho objetivamos conhecer como se dá a organização, produção de músicas, circulação pela cidade e relação com outros grupos de funk, de um grupo de jovens que produzem funk na localidade Paço de Pátria, zona Lesta da Cidade de Natal-RN. Trata-se de uma pesquisa etnográfica, em que os princípios dados por Roberto Cardoso de Oliveira: olhar, ouvir e escrever. Aliado a utilização de recurso tecnológicos como da fotografia e filmagem digital. O grupo de jovens foi acompanhado por um ano aproximadamente, tendo sido feita a etnografia de quatro bailes, uma gravação de clip e dois ensaios. Como conclusão observamos que não existe uma organização de grupo funk, o que há são aproximações contingenciais dos funkeiros. Que o funk é estigmatizado e considerado desviante por muitas pessoas do Paço da Pátria. Não há uma política pública para a juventude, em Natal, que possa potencializar e reconhecer o funk como uma possibilidade de intervenção cultural, uma vez que o potencial mobilizador de um baile funk, observando as devidas proporções com outros centros urbanos como o Rio de Janeiro, é muito grande.
metadata.dc.description.resumo: O funk tem sido objeto de estudo em diversos campos de produção de conhecimento, entre eles temos a antropologia urbana que vem proporcionando uma vasta produção com a temática do funk. No presente trabalho objetivamos conhecer como se dá a organização, produção de músicas, circulação pela cidade e relação com outros grupos de funk, de um grupo de jovens que produzem funk na localidade Paço de Pátria, zona Lesta da Cidade de Natal-RN. Trata-se de uma pesquisa etnográfica, em que os princípios dados por Roberto Cardoso de Oliveira: olhar, ouvir e escrever. Aliado a utilização de recurso tecnológicos como da fotografia e filmagem digital. O grupo de jovens foi acompanhado por um ano aproximadamente, tendo sido feita a etnografia de quatro bailes, uma gravação de clip e dois ensaios. Como conclusão observamos que não existe uma organização de grupo funk, o que há são aproximações contingenciais dos funkeiros. Que o funk é estigmatizado e considerado desviante por muitas pessoas do Paço da Pátria. Não há uma política pública para a juventude, em Natal, que possa potencializar e reconhecer o funk como uma possibilidade de intervenção cultural, uma vez que o potencial mobilizador de um baile funk, observando as devidas proporções com outros centros urbanos como o Rio de Janeiro, é muito grande.
URI: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/22267
Aparece nas coleções:PPGAS - Mestrado em Antropologia Social

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
CarlosRobertoDeMoraisESilva_DISSERT.pdf8,02 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.