Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/22349
Título: Cantos, encantos e desencantos na educação a distância: uma análise da concepção e da implementação do curso de administração pública da UFRN
Autor(es): Araujo, Sueldes de
Palavras-chave: Política educacional;Expansão do ensino superior;Educação a distância;Administração Pública a Distância
Data do documento: 22-Jan-2014
Citação: ARAUJO, Sueldes de. Cantos, encantos e desencantos na educação a distância: uma análise da concepção e da implementação do curso de administração pública da UFRN. 2014. 257f. Tese (Doutorado em Educação) - Centro de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2014.
Resumo: A tese intitulada ―Cantos, Encantos e Desencantos na Educação a Distância: uma análise da concepção e da implementação do curso de Administração Pública a Distância‖, objetiva analisar a concepção e a implementação do curso de Administração Pública a Distância da UFRN no contexto da expansão do ensino superior e da necessidade de formação de gestores públicos para a implementação de um novo modelo de gestão. De iniciativa do Fórum das Estatais, o curso Piloto de Administração a Distância visava atender, inicialmente, a qualificação dos funcionários do Banco do Brasil. Essa experiência se consolidou depois como um curso regular de Administração Pública a Distância, condição que deu suporte à institucionalização da Universidade Aberta do Brasil (UAB). A Tese parte do pressuposto de que essas iniciativas estão articuladas às mudanças ocorridas no cenário internacional e nacional no qual as tecnologias da comunicação e da informação possibilitaram o redimensionamento da educação a distância e a sua utilização em larga escala. Como método de análise optou-se pelo materialismo histórico dialético, pela possibilidade de identificar, analisar e explicar o movimento do real face às contradições sociais inerentes ao modo de produção capitalista. Para a realização da pesquisa, utilizou-se como procedimentos técnicos: a pesquisa bibliográfica, como forma de aprofundar os conhecimentos, precisar e objetivar o aspecto conceitual do objeto pesquisado; a pesquisa documental que possibilitou complementar informações e desvelar novos aspectos do objeto pesquisado. Por fim, utilizou-se a entrevista semiestruturada, fase que permitiu inferir as percepções dos sujeitos envolvidos sobre a concepção e a avaliação do curso. A análise dos dados evidencia que houve uma significativa expansão dos cursos de Administração Pública a Distância e que no RN a expansão da matrícula é bastante expressiva. No entanto, apesar de se utilizar uma metodologia inovadora, no que concerne a EAD e ao uso dos recursos tecnológicos, o curso mantém uma proposta pedagógica apropriada à modalidade presencial, o que dificulta a realização do mesmo ocasionando desistência. Verifica-se que o Projeto Político Pedagógico (PPP) do curso de Administração Pública a Distância foi concebido por uma equipe do MEC, de forma verticalizada, sem a participação dos professores, do próprio curso, no processo decisório. Tal ação incidiu sobre a autonomia e a democracia da universidade. Concluiu-se que a estrutura do curso está organizada com momentos presenciais de forma a reduzir a distância entre professores e alunos, no entanto, a opção pelo modelo de EAD com foco na tutoria, em detrimento da mediação pedagógica dos professores, reforça o caráter racionalista técnico-instrumental do curso. O estudo revelou, ainda, que o curso mantém uma gestão centralizada na Secretaria de Educação a Distância/UFRN (SEDIS) e os professores cumprem uma função limitada, fato que não os permite elaborar os conteúdos, os quais são repassados para os alunos em forma de módulos previamente concebidos pelo MEC/PNAP. Por fim, conclui-se, que a Educação a Distância, apesar de contribuir para a expansão dos cursos de graduação no país, apresenta limitações na sua organização tanto administrativa como pedagógica. Todavia, registram-se possibilidades em melhorar a mediação dos professores do curso de Administração Pública a Distância da UFRN, de modo que se oportunize avançar para uma concepção capaz de promover mais interação no âmbito do processo ensino-aprendizagem.
metadata.dc.description.resumo: A tese intitulada ―Cantos, Encantos e Desencantos na Educação a Distância: uma análise da concepção e da implementação do curso de Administração Pública a Distância‖, objetiva analisar a concepção e a implementação do curso de Administração Pública a Distância da UFRN no contexto da expansão do ensino superior e da necessidade de formação de gestores públicos para a implementação de um novo modelo de gestão. De iniciativa do Fórum das Estatais, o curso Piloto de Administração a Distância visava atender, inicialmente, a qualificação dos funcionários do Banco do Brasil. Essa experiência se consolidou depois como um curso regular de Administração Pública a Distância, condição que deu suporte à institucionalização da Universidade Aberta do Brasil (UAB). A Tese parte do pressuposto de que essas iniciativas estão articuladas às mudanças ocorridas no cenário internacional e nacional no qual as tecnologias da comunicação e da informação possibilitaram o redimensionamento da educação a distância e a sua utilização em larga escala. Como método de análise optou-se pelo materialismo histórico dialético, pela possibilidade de identificar, analisar e explicar o movimento do real face às contradições sociais inerentes ao modo de produção capitalista. Para a realização da pesquisa, utilizou-se como procedimentos técnicos: a pesquisa bibliográfica, como forma de aprofundar os conhecimentos, precisar e objetivar o aspecto conceitual do objeto pesquisado; a pesquisa documental que possibilitou complementar informações e desvelar novos aspectos do objeto pesquisado. Por fim, utilizou-se a entrevista semiestruturada, fase que permitiu inferir as percepções dos sujeitos envolvidos sobre a concepção e a avaliação do curso. A análise dos dados evidencia que houve uma significativa expansão dos cursos de Administração Pública a Distância e que no RN a expansão da matrícula é bastante expressiva. No entanto, apesar de se utilizar uma metodologia inovadora, no que concerne a EAD e ao uso dos recursos tecnológicos, o curso mantém uma proposta pedagógica apropriada à modalidade presencial, o que dificulta a realização do mesmo ocasionando desistência. Verifica-se que o Projeto Político Pedagógico (PPP) do curso de Administração Pública a Distância foi concebido por uma equipe do MEC, de forma verticalizada, sem a participação dos professores, do próprio curso, no processo decisório. Tal ação incidiu sobre a autonomia e a democracia da universidade. Concluiu-se que a estrutura do curso está organizada com momentos presenciais de forma a reduzir a distância entre professores e alunos, no entanto, a opção pelo modelo de EAD com foco na tutoria, em detrimento da mediação pedagógica dos professores, reforça o caráter racionalista técnico-instrumental do curso. O estudo revelou, ainda, que o curso mantém uma gestão centralizada na Secretaria de Educação a Distância/UFRN (SEDIS) e os professores cumprem uma função limitada, fato que não os permite elaborar os conteúdos, os quais são repassados para os alunos em forma de módulos previamente concebidos pelo MEC/PNAP. Por fim, conclui-se, que a Educação a Distância, apesar de contribuir para a expansão dos cursos de graduação no país, apresenta limitações na sua organização tanto administrativa como pedagógica. Todavia, registram-se possibilidades em melhorar a mediação dos professores do curso de Administração Pública a Distância da UFRN, de modo que se oportunize avançar para uma concepção capaz de promover mais interação no âmbito do processo ensino-aprendizagem.
URI: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/22349
Aparece nas coleções:PPGED - Doutorado em Educação

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
SueldesDeAraujo_TESE.pdf2,52 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.