Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/22780
Título: Vivência do adolescente e adulto jovem no puerpério da companheira
Autor(es): Araújo, Mércio Gabriel de
Palavras-chave: Homem;período pós-parto;saúde da família
Data do documento: 18-Dez-2015
Citação: ARAÚJO, Mércio Gabriel de. Vivência do adolescente e adulto jovem no puerpério da companheira. 2015. 100f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) - Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2015.
Resumo: Tornar-se pai faz parte de um processo de inter-relações estabelecidas entre o homem e o recém-nascido. Durante essa construção, transformações e mudanças são vivenciadas e o homem necessariamente busca uma nova identidade para exercer um novo papel social, o de pai. Contudo, quando a paternidade ocorre durante a adolescência ou juventude, ela pode caracterizar-se como fator de vulnerabilidade, pois a carga de responsabilidade é capaz de desencadear problemas de ordem fisiológica e emocional. O estudo objetiva descrever a vivência do adolescente e adulto jovem sobre o período puerperal da companheira na estratégia saúde da família. Trata-se de uma pesquisa exploratória e descritiva com abordagem qualitativa realizada no município de Caicó, Rio Grande do Norte. Os participantes do estudo foram 15 homens adolescentes e adultos jovens, com idade de 10 a 24 anos. A coleta de dados ocorreu nos meses de julho a setembro de 2015 por meio de entrevista semiestruturada. Realizou-se análise de conteúdo na modalidade temática, sendo analisadas a partir da literatura pertinente. Assim, emergiram as seguintes categorias: participação do adolescente e adulto jovem no cuidado à companheira durante o pós-parto; sentimentos vivenciados pelo homem adulto jovem e adolescente no pós-parto; presença da família ampliada: (re)arranjos no contexto do pós-parto. Essa investigação revelou que os depoentes estabeleceram interações no pós-parto ao realizar o cuidado com a companheira e o recém-nascido a partir de atividades domésticas, no auxílio na rotina de cuidados com filho e ao vivenciar sentimentos ambivalentes como felicidade, anseio, dentre outros. Também, observou-se que os adolescentes e adultos jovens receberam apoio familiar, ao instituir uma relação de aproximação com os entes, diante das necessidades que emergem no período puerperal e da chegada do novo membro familiar. Diante disso, sugere-se que a estratégia saúde da família desenvolva um programa baseado na fase puerperal para este grupo populacional, de modo a receber apoio, incentivo e orientações para lidar com as novas interações presentes no período.
metadata.dc.description.resumo: Tornar-se pai faz parte de um processo de inter-relações estabelecidas entre o homem e o recém-nascido. Durante essa construção, transformações e mudanças são vivenciadas e o homem necessariamente busca uma nova identidade para exercer um novo papel social, o de pai. Contudo, quando a paternidade ocorre durante a adolescência ou juventude, ela pode caracterizar-se como fator de vulnerabilidade, pois a carga de responsabilidade é capaz de desencadear problemas de ordem fisiológica e emocional. O estudo objetiva descrever a vivência do adolescente e adulto jovem sobre o período puerperal da companheira na estratégia saúde da família. Trata-se de uma pesquisa exploratória e descritiva com abordagem qualitativa realizada no município de Caicó, Rio Grande do Norte. Os participantes do estudo foram 15 homens adolescentes e adultos jovens, com idade de 10 a 24 anos. A coleta de dados ocorreu nos meses de julho a setembro de 2015 por meio de entrevista semiestruturada. Realizou-se análise de conteúdo na modalidade temática, sendo analisadas a partir da literatura pertinente. Assim, emergiram as seguintes categorias: participação do adolescente e adulto jovem no cuidado à companheira durante o pós-parto; sentimentos vivenciados pelo homem adulto jovem e adolescente no pós-parto; presença da família ampliada: (re)arranjos no contexto do pós-parto. Essa investigação revelou que os depoentes estabeleceram interações no pós-parto ao realizar o cuidado com a companheira e o recém-nascido a partir de atividades domésticas, no auxílio na rotina de cuidados com filho e ao vivenciar sentimentos ambivalentes como felicidade, anseio, dentre outros. Também, observou-se que os adolescentes e adultos jovens receberam apoio familiar, ao instituir uma relação de aproximação com os entes, diante das necessidades que emergem no período puerperal e da chegada do novo membro familiar. Diante disso, sugere-se que a estratégia saúde da família desenvolva um programa baseado na fase puerperal para este grupo populacional, de modo a receber apoio, incentivo e orientações para lidar com as novas interações presentes no período.
URI: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/22780
Aparece nas coleções:PPGE - Mestrado em Enfermagem

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
MercioGabrielDeAraujo_DISSERT.pdf3,2 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.