Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/26071
Title: Grande sertão: veredas e cartilha do silêncio: a realidade se recompõe pela travessia da memória
Authors: Santos, Albaniza Alves dos
Keywords: Erotismo;Rememoração;Rosa e Dantas;Tradição regional
Issue Date: 24-Jul-2018
Citation: SANTOS, Albaniza Alves dos. Grande sertão: veredas e cartilha do silêncio: a realidade se recompõe pela travessia da memória. 2018. 214f. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem) - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2018.
Abstract: This research deals with the investigation of the intertextual networks between the works Grande Sertão: Veredas, by João Guimarães Rosa, published in 1956, and Cartilha do Silêncio, by Francisco José Costa Dantas, 1997. In order to make the writing through its similarities and differences, as regards the analytical remembrance categories associated with the figuration of the literary tradition constituted, the allegory of circularity and the erotic, as elements of composition of the novels. From the notion of intertextuality (CARVALHAL, 2003) and dialogism (BAKHTIN, 1997), comparative literature foundations, we understand the mention of one writer to another suggests, in this context, that both the continuity of the tradition and its problematization or reinvention, which, according to Antonio Candido (2000), helps to constitute the Brazilian "literary system". In this direction, Francisco Dantas' work integrates this system, giving continuity to the regionalist literary tradition, and, in particular, the Rosa's fiction, in the frames of contemporary Brazilian literature. To discuss about memory, we adopted the Ecléa Bosi's (1994), Le Goff's (1996) and Paul Ricouer's studies (2007). In the reflections on the circular movement of the works, we chose Walter Benjamin's (1984) and Kothe's (1986) theoretical systematization, as far as the notion of allegory is concerned. From this perspective, it was possible to perceive that memory makes the (re)construction of Sertão and Cartilha narrative as an expression of fragmentation, instigating the discontinuous movement. The investigated works are inscribed under the principle of non-immobility, of the circularity allegory around what their characters live, of a memory that escapes the logical chain of remembered matter, because they were made of "patchwork" and forgetfulness, of sensed and silenced desires, of a time combined with other times, of going forward and of immediate retreat. To discussion about the erotic, Georges Bataille's (2004) and Octavio Paz's thoughts (1994) served as a theoretical contribution. From them, we try to analyze the intense and non-permissive wills, in view of the "impositions on which the world of reason rests" (Bataille, 2004). In their singularities, Rosa and Dantas bring to the expression of their novels the sign of the existence contradictions, between appearance and what is hidden in it, between will and prohibitions.
Portuguese Abstract: Esta pesquisa ocupa-se da investigação das redes intertextuais entre as obras Grande Sertão: Veredas, de João Guimarães Rosa, publicada em 1956, e Cartilha do Silêncio, de Francisco José Costa Dantas, de 1997. Buscamos o fazer da escritura através de suas semelhanças e diferenças, no que tange às categorias analíticas da rememoração associada à figuração da tradição literária constituída, da alegoria da circularidade e do erótico, como elementos de composição dos romances. A partir da noção de intertextualidade (CARVALHAL, 2003) e dialogismo (BAKHTIN, 1997), fundamentos da literatura comparada, compreendemos que a menção de um escritor a outro sugere, nesse contexto, tanto a continuidade da tradição quanto a sua problematização ou reinvenção, o que, segundo Antonio Candido (2000), ajuda a constituir o “sistema literário” brasileiro. Nessa direção, a obra de Francisco Dantas integra esse sistema, dando continuidade à tradição literária regionalista, e, em particular, à ficção de Rosa, nos quadros da literatura brasileira contemporânea. Para a discussão acerca da memória, adotamos os estudos de Ecléa Bosi (1994), Le Goff (1996) e Paul Ricouer (2007). Nas reflexões sobre o movimento circular das obras, elegemos a sistematização teórica de Walter Benjamin (1984) e Kothe (1986), no que se refere à noção de alegoria. Sob essa perspectiva, foi possível perceber que a memória faz a (re)construção da narrativa do Sertão e da Cartilha como expressão da fragmentação, instigando o movimento descontínuo. As obras investigadas se inscrevem sob o princípio da não imobilidade, da alegoria da circularidade em torno do que vivem suas personagens, de uma memória que escapa ao encadeamento lógico da matéria recordada, porque feita de “retalhos” e esquecimento, de desejos sentidos e silenciados, de um tempo conjugado a outros tempos, do ir adiante e do recuo imediato. Para a discussão do erótico, o pensamento de Georges Bataille (2004) e o de Octavio Paz (1994) nos serviram de aporte teórico. A partir deles procuramos analisar as vontades intensas e não permissivas, face às “imposições sobre as quais repousa o mundo da razão” (BATAILLE, 2004). Em suas singularidades, Rosa e Dantas trazem à expressão de seus romances o signo das contradições da existência, entre a aparência e o que se oculta nela, entre a vontade e os interditos.
URI: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/26071
Appears in Collections:PPGEL - Doutorado em Estudos da Linguagem

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Grandesertãoveredas_Santos_2018.pdf1,85 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.