Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/23473
Título: Imagem corporal de mulheres submetidas ao tratamento do câncer de mama
Autor(es): Guedes, Thais Sousa Rodrigues
Palavras-chave: Oncologia;Câncer de mama;Imagem corporal;Saúde coletiva
Data do documento: 26-Jul-2016
Citação: GUEDES, Thais Sousa Rodrigues. Imagem corporal de mulheres submetidas ao tratamento do câncer de mama. 2016. 98f. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) - Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2016.
Resumo: Breast cancer is the most common neoplasia among women. Consequential changes from treating breast cancer are responsible for the way women see their body image and how these patients interact with other people. This study aims to determine the prevalence of women dissatisfaction with their own body perspective and associated factors after surviving to breast cancer treatment. This is a cross-sectional study, which evaluated 103 women living in the city of Natal, Brazil, diagnosed with breast cancer at least one year ago, that were still under treatment against cancer, and remained in clinical follow-up. Data collection was performed by accessing medical records of patients diagnosed with breast cancer and conducting individual interviews. The dependent variable Body Image was measured using the validated questionnaire Body Image Scale (BIS). Socioeconomic variables, gynecological history, clinical and life habits were also collected. The bivariate analysis was performed using Pearson's chi-square test (Fisher's Exact), calculating the prevalence ratio using 95% confidence interval. Multivariate analysis was performed by Poisson regression with robust variance. The statistical significance level of 0.05 was considered. The mean age of patients included in the study was 55.97 years (± 10.6), mostly Caucasian, married, and employed before treatment (81.6%). The prevalence of dissatisfaction with body image was 74.8%, CI (0.65 to 0.82). Body Image showed a statistically significant association with multidisciplinary professionals monitoring the patient and the presence of employment after treatment. We conclude that the prevalence of body image dissatisfaction was high. Women who reported having an occupation after treatment for cancer showed more changes in self-perception regarding their appearance. Concerning the follow up by multidisciplinary professionals, those patients who did not receive care after the treatment reported a negative impact on their body image. This finding highlights the need for strategies to increase the resolvability of services to meet the main demands of this population.
metadata.dc.description.resumo: O câncer de mama é a neoplasia mais comum entre as mulheres, sendo às alterações decorrentes de seu tratamento responsáveis por mudanças na forma em que a mulher com câncer vê sua imagem corporal e interage com outras pessoas. O objetivo do estudo foi verificar a prevalência de insatisfação com a imagem corporal e seus fatores associados em mulheres sobreviventes ao câncer de mama. Trata-se de um estudo transversal, que avaliou 103 mulheres residentes no município de Natal-RN, com diagnóstico de neoplasia mamária há no mínimo um ano, submetidas a tratamento oncológico e que ainda permanecem em acompanhamento clínico. A coleta de dados foi realizada por meio do acesso aos prontuários das pacientes diagnosticadas com câncer de mama e de entrevista individual. A variável dependente imagem corporal foi mensurada através do questionário validado Body Image Scale (BIS). Também foram coletadas variáveis socioeconômicas, histórico ginecológico, clínico e hábitos de vida. A análise bivariada foi realizada por meio do teste Qui-quadrado de Pearson (Exato de Fisher), calculando a razão de prevalência com intervalo de confiança de 95%. A análise multivariada foi feita por meio da Regressão de Poisson com variância robusta. Considerou-se o nível de significância estatística de 0,05. A média da idade das pacientes incluídas no estudo foi igual a 55,97 anos (±10,6), da raça branca, casadas, com vínculo empregatício antes do tratamento (81,6%). A prevalência de insatisfação com a imagem corporal foi de 74,8%, IC (0,65-0,82). A imagem corporal apresentou associação estatisticamente significativa com o acompanhamento multiprofissional e ocupação após o tratamento. Conclui-se que a prevalência de insatisfação com a imagem corporal foi elevada. Mulheres que relataram ter uma ocupação após o tratamento para o câncer apresentaram mais alterações na autopercepção quanto a aparência. Em relação ao acompanhamento multiprofissional, aquelas pacientes que não receberam o seguimento do cuidado relataram um impacto negativo na imagem corporal, evidenciando a necessidade de estratégias que aumentem a resolutividade dos serviços de forma a atender as principais demandas dessa população.
URI: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/23473
Aparece nas coleções:PPGSCOL - Mestrado em Saúde Coletiva

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
ThaisSousaRodriguesGuedes_DISSERT.pdf1,89 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.