Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/27833
Title: Avaliação da resistência de união de reparos em resinas bulk fill após diferentes protocolos de adesão
Authors: Medeiros, Thiago Clístines de
Keywords: Reparação de restauração dentária;Resinas compostas;Adesividade
Issue Date: 6-Dec-2018
Citation: MEDEIROS, Thiago Clístines de. Avaliação da resistência de união de reparos em resinas bulk fill após diferentes protocolos de adesão. 2018. 47f. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) - Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2018.
Portuguese Abstract: Objetivo: Avaliar a resistência de união à microtração de reparos realizados em resinas compostas bulk fill e convencional submetidas a envelhecimento, após diferentes protocolos de adesão. Materiais e métodos: Foram confeccionados 42 corpos de prova (8x8x4 mm3 ) de cada um dos seguintes materiais, na cor A1: uma resina composta micro-híbrida (Filtek Z250 XT – 3M ESPE, St. Paul, MN, EUA) e uma do tipo bulk fill de consistência regular (Filtek Bulk Fill – 3M ESPE, St. Paul, MN, EUA). Estes corpos de prova foram envelhecidos por armazenamento em saliva artificial a 37°C por 30 dias, após os quais receberam um tratamento mecânico de superfície por meio da abrasão com ponta diamantada tronco-cônica de granulação fina 4138F e, então, foram divididos em seis grupos, de acordo com o protocolo de adesão empregado: FSA – condicionamento com ácido fosfórico a 35% + silano + adesivo convencional de dois passos (Adper Single Bond 2 - 3M ESPE, St. Paul, MN, EUA); SA – silano + adesivo convencional; FA – condicionamento com ácido fosfórico a 35% + adesivo convencional; A – adesivo convencional; FU – ácido fosfórico a 35% + adesivo universal (Single Bond Universal - 3M ESPE, St. Paul, MN, EUA); U – adesivo universal. Todos os corpos de prova foram reparados com a resina Z250 XT, na cor B3, para diferenciar dos materiais de base. Os blocos de resinas reparadas foram cortados em palitos (8x1x1 mm3 ) e submetidos ao teste de microtração. Os espécimes fraturados foram avaliados por macrofotografia para determinação do tipo de fratura (adesiva ou coesiva). Para analisar as diferenças entre os protocolos de adesão e entre os tipos de resina composta foi utilizado o teste estatístico ANOVA dois fatores, com nível de significância de 5%. Resultados: Não foram encontradas diferenças estatisticamente significantes nos valores de resistência de união entre os protocolos de adesão e entre as resinas compostas reparadas, assim como não se verificou interação entre estas variáveis. Conclusão: Para o padrão de envelhecimento adotado neste estudo, a resistência de união de reparos em uma resina do tipo bulk fill foi similar à encontrada em uma resina micro-híbrida convencional, não havendo distinção entre diversos protocolos de adesão.
Abstract: Objective: To evaluate the microtensile bond strength of repairs performed on bulk fill and conventional composite resins subjected to aging, after different adhesion protocols. Materials and methods: 42 specimens (8x8x4 mm3 ) of each of the following materials were prepared in shade A1: a microhybrid composite (Filtek Z250 XT-3M ESPE, St. Paul, MN, USA) and a high-viscosity bulk fill composite (Filtek Bulk Fill - 3M ESPE, St. Paul, MN, USA). These specimens were aged by storage in artificial saliva at 37 ° C for 30 days. After, they received a mechanical surface treatment by means of abrasion with a diamond bur 4138F, followed by the division in six groups, according to the adhesion protocol employed: FSA - etching with 35% phosphoric acid + silane + etch-and-rinse adhesive (Adper Single Bond 2 - 3M ESPE, St. Paul, MN, USA); SA - silane + etch-and-rinse adhesive; FA - etching with 35% phosphoric acid + etch-and-rinse adhesive; A - etch-and-rinse adhesive; FU - 35% phosphoric acid + universal adhesive (Universal Bond Single - 3M ESPE, St. Paul, MN, USA); U - universal adhesive. The repairs were performed with Z250 XT composite, in shade B3, to differentiate them from the base materials. The repaired resin blocks were cut into sticks (8x1x1 mm3 ) and submitted to microtensile test. Fractured specimens were evaluated by macrophotography to determine the type of fracture (adhesive or cohesive). In order to analyze the differences among the adhesion protocols and composite types, two-way ANOVA statistical test was used, with a significance level of 5%. Results: No statistically significant differences were found in bond strength values among the adhesion protocols and among the composite resins repaired, as well as no interaction between these variables. Conclusion: For the aging pattern adopted in this study, repair bond strength of a bulk fill composite was similar to that found in a conventional microhybrid composite, with no distinction among several adhesion protocols.
URI: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/27833
Appears in Collections:PPGSCOL - Mestrado em Saúde Coletiva

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Avaliaçãoresistênciaunião_Medeiros_2018.pdf774.93 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.